25.02.2004

carnablitz

Salve, salve... pessoal !

Botei meu bloco e meu blog no mato... nas montanhas, só na sinfonia de sapo e balé de vagalume.

Só levei o laptop.

Tava precisando... fogão à lenha, lareira, banho de rio, sauna tudo que tinha direito. Fiz 3 canções para o disco novo... fiquei super-animado. Amanhã vou na casa do Blilly mostrar pra ele. Nada como uma viola e uma casinha no alto do morro... eu, minha gata e meu cachorro, e esse é o nome de uma das músicas !

Sábado vou ver o desfile das campeãs. Gosto muito das escolas de samba e adorei o bi da Beija-Flor.

Quero aprender a colocar umas fotos pra vcs, mas ainda sou uma anta virtual.

Quero agradecer a todos que deixaram mensagens de parabéns no dia 19, valeu !!!

Tudo de bom e do melhor pra todos nós !

Um abração e beijos pras meninas,

Até a próxima !

evandro @ 10:57 PM | Comenta! (36)

16.02.2004

Backing Vocal

Oi galera,

Meu nome é Andréa Coutinho. Faço parte do ataque desse time que é a BLITZ e tudo que posso dizer é que simplesmente ADOOOORO cantar nessa banda!

andreaeva1.jpg

É muito louco e emocionante subir no palco e estar ao lado do Evandro, no mesmo lugar em que a Fernanda e a Marcia estiveram, lembrando a quantidade de vezes que eu (e todo mundo) as imitava na escola sem poder pensar na menor possibilidade de ver um show ao vivo por ter apenas 7 anos de idade. E hoje cá estou, honradíssima, me divertindo horrores com essa banda e com minha parceiríssima Luciana, que arrasa no vocal.

Um beijão pra TODOS e especialmente pra BLITZ!!!!!!!!
Andréa

evandro @ 09:08 PM | Comenta! (45)

11.02.2004

Blitz ate' debaixo d'agua

blitz_na_piscina.jpg
Blitz mergulha no CD novo

Estamos preparando um novo CD, so' musicas novinhas em folha, ta ficando duca. Agora so' falta o filme.aguardem.....

10.02.2004

O post dos que não blogam

Bom... a essa altura, quase todo mundo já deu as caras aqui pelo blog. Evandro desandou a postar, Billy The Kid pendurou um típico post da série "fooooooooooooda-se" e por aí vai.

Aí VOCÊ me pergunta: ei, blitzmaníaco... cadê o Juba ? Seguinte, rapaziada: esse "paulistano da Lagoa" é um dos caras mais offlines da face da Terra, valvulado mesmo !

jubavarandinha.jpg
Blogar ? Nem e-mail eu tenho, cara !

Mas não ache que por causa disso o tal do Roberto Gurgel não liga aqui pro site... muito pelo contrário ! Dia desses mesmo ele abriu o baú da BLITZ e liberou um monte de quinquilharias que logo, logo estão penduradas aqui.

Enquanto isso, ativo ouvinte/leitor, contente-se com essa foto fresquinha que ilustra o post.

PS: quem sabe um dia o próprio não dá o ar da graça ?

blitzmaniaco @ 06:54 PM | Comenta! (21)

06.02.2004

Senta que lá vem história...

Em 1981, eu fazia a peça "Aquela Coisa Toda", em cartaz no Teatro Ipanema, às nove horas da noite. A Marina (hoje, Lima) tinha um show à meia-noite, no mesmo lugar. Os músicos do show chegavam antes para ver a nossa peça e eu ficava depois na montagem de som.

Eu não podia ver um microfone, uma guitarra, era ótimo poder tocar com uma banda já pronta, com ótimos músicos e com direito a sax . Então eu ficava tocando com Lobão, Guto Barros, Zé Luiz, Ricardo, Junior, a banda da Marina, que terminou sendo praticamente a primeira BLITZ.

Eu estava, na época, namorando uma menina que era promoter do Caribe, um bar em São Conrado, do Mauro Taubman, dono da Company. Ela ia inaugurar um espaço e perguntou se eu tinha uma banda para se apresentar lá. Liguei na mesma hora para o Lobão e perguntei se ele topava. A gente ensaiou uma semana e estreou no Caribe. Já nesse primeiro show, a BLITZ trazia com ela a performance teatral.

Como naquele tempo havia muita blitz da polícia na rua, todo mundo era parado por elas a toda hora, o Lobão lembrou de batizar a banda de BLITZ para assustar a platéia com o som. A BLITZ já começou com rock, reggae , funk e samba tinha uma sonoridade própria, canções meio faladas cheia de swing e gírias. Minha poesia era também de rua, inspirada em Oswald, em Chacal, em Nuvem Cigana, Stanislaw Ponte Preta e a gente sabia que o pessoal ia se assustar com esse som. Então apagávamos a luz, entrávamos pela platéia com lanternas e com capas, criando um clima teatral bem anos 70 e assumíamos o palco. Foi assim que tocamos no nosso primeiro show no Caribe.

No dia seguinte, na praia só se falava nisso. “Onde é que vocês vão tocar? Tem disco? Vão tocar no rádio?” Aí começamos a correr atrás e cavar shows. Toquei até no Papagay (a boate gay "Papagaio"), onde a gente foi muito vaiado. Cada música que falasse de amor como em “Você não Soube me Amar” , que falasse da relação homem /mulher, os caras vaiavam. Essa apresentação foi com o pessoal do Banduendes, os “Banduendes Por Acaso Estrelado”, que era um grupo meu e da Patrícia Travassos, saído do curso que tínhamos dado no Parque Lage. E as pessoas vaiavam. O DJ botava um som altíssimo para abafar a vaia entre uma música e outra, e eu falava: “- Não, não acabou, abaixa essa porra aí !”.

Depois disso, juntei minhas moedinhas e fui pra Nova York seguindo a Patrícia, que tinha dirigido os primeiros shows da BLITZ. Fui para lá puto: sem o Asdrúbal (trouxe o trombone, grupo de teatro), minha música era underground. Gravar um disco para mim era como ir à lua. Nada que tocava no rádio, que se gravava, parecia com o que eu tocava.

Aí veio o Circo Voador, e a BLITZ bombou. Os anos de 1982 a 1986 foram um sucesso só. Neste espaço de tempo a BLITZ lançou três discos e fez centenas de shows pelo país e pelo exterior, entre eles o inesquecível Rock in Rio I.

Foi num show no Circo que pintou o convite para a BLITZ gravar um disco. Depois tocamos no Canecão, com um público que até hoje é recorde na casa. Fizemos também um show na Praça da Apoteose. O dia nublado, 60 mil pessoas ! Fizemos o show de novo com o Barão e com a Orquestra Sinfônica. Isaac Karabtchevsky regendo e, o Coral do Teatro Municipal, com aquelas damas, gordas, de longo, cantando : “Blábláblá, Blábláblá, Blábláblá... Tititi tititi tititi... Você não soube me amar...”. Foi inesquecível. A orquestra toda amarradona, os violinistas mais jovens com luvas de purpurina, adorando o som pop.

Nossa primeira gravação foi “As Aventuras da Blitz”. O primeiro disco foi compacto, com só uma música que era, obviamente, “Você não Soube me Amar”. Na capa desse compacto não aparecia ninguém e do outro lado gravei: “Nada, nada, nada, nada.” Só tinha uma música e vendeu um milhão de cópias, numa época de crise. Em três meses, 100 mil cópias já tinham sido vendidas. Ninguém apostava no rock. As referências de rock, na época, eram os Novos Baianos, Mutantes, Raul, Rita, A Cor do Som, o Roupa Nova.

O segundo disco foi o "Radioatividade", e com ele ganhamos o disco de ouro, disco de platina. E a nossa relação já não estava indo bem. Barreto (Ricardo, ex - guitarrista) gravando disco solo e tentando arrumar outros parceiros... inexplicavelmente tentava mudar o que estava dando certo e que tínhamos batalhado tanto pra conseguir, principalmente eu que tinha articulado tudo!

E o terceiro, foi "BLITZ 3".

Estávamos gravando "Malandro Agulha", a pedido do Mariozinho Rocha, quando Barreto e Márcia (Bulcão, ex - backing vocal) entraram no estúdio dizendo que sairiam da banda. Acabaram com a banda no auge. Jogaram fora nossos sonhos e conquistas.

Voltamos Em 94 e gravamos "BLITZ ao Vivo".

A BLITZ acabou como um casamento em crise, cheio de mesquinharias, ciúmes, invejas. Baixo astral.

O Roberto Carlos chamando a BLITZ para participar de seu especial, Paulinho da Viola declarando que começou a gostar de rock depois que viu a BLITZ, Caetano batizando a BLITZ de "Disneylândia pop", Gil arriscando uma declaração definitiva: “Deram uma Blitz na música nacional...” Isso sem falar no entusiasmo de Dorival Caymmi, que fez questão de me cumprimentar no camarim do Canecão e declarou numa entrevista “- Ah, eu queria ter a alegria desse garoto da Blitz”. Foi sucesso total.

E agora, em 2004, retomamos a estrada com músicos novos e uma nova energia. Estamos compondo e breve mostraremos aos amigos e fãs que sempre torceram e que como eu sentem falta do humor e do swing da banda.

evandro @ 05:02 PM | Comenta! (24)

05.02.2004

Tutti Buona Gente

evandrobillyjuba_w.jpg
Juba, Billy, Evandro, vestidos para matar

Filha de peixe...

Alô, alô ativo ouvinte !

Como o nosso Evandro havia prometido, aí vão alguns clicks do pocket show da Manu que rolou no último domingo !

manu e evaC.jpg
Evandro dando uma canja no showzinho da filha

show manuA.jpg
Manu tirando uma onda de frontgirl

E aí... a menina leva jeito ou não leva ?

blitzmaniaco @ 12:38 PM | Comenta! (13)

02.02.2004

noites cariocas

salve, salve !
Teclo numa segunda feira, preguiçosa, depois de ter tocado sábado, no Morro da Urca (Noites Cariocas) e foi como nos velhos tempos.

Lotação esgotada, um público lindo e cantando todos os hits com a gente. Foi uma noite especial, com os colegas: Kid Vinil, Léo Jaime, Kiko Zambianchi, Ritchie e eu. Foi emocionante e várias vezes me dava um nó na garganta que era difícil de cantar.

a BLITZ fará um temporada lá em março ou abril, sem falta. Apareçam!

No domingo, minha filha, a Manu, estreou aqui em casa com a banda dela, para amigos e familiares... fiquei muito orgulhoso dela, da sua banda e de suas composições.

Hoje fui à praia tentar espairecer, levei o pranchão e nem tirei ele do carro, pois o mar só estava pra peixe e não para o surf.

Quando souber coloco umas fotos pra vcs, desculpem minha ignorância virtual. Vou aprendendo devagarinho.

bjs,

evandro @ 04:50 PM | Comenta! (19)